02/05/16

Em 'jogo de xadrez', Osasco e Santos empatam no primeiro duelo da final





Esqueça esquemas táticos certinhos e definidos ou até mesmo posições simples, como volante ou lateral. O que se viu neste domingo entre Audax e Santos no primeiro jogo da final do Paulista foi uma mistura de futebol tradicional e xadrez, o que resultou em um jogo atrativo de se assistir. Em meio à movimentação de peças, forte marcação e dribles, o resultado foi 1 a 1, com uma mostra de mais possíveis 90 bons minutos na semana que vem, na Vila Belmiro. Veja a repercussão do primeiro jogo da final do Paulistão.

No primeiro tempo, o Audax mostrou porque mereceu estar na final. Enquanto o Peixe tentava atacar, o time de Fernando Diniz contra-atacava com até seis jogadores. Dorival Júnior, que entendeu a movimentação de Diniz, mudou suas peças. Os peões de branco passaram a fechar o meio e as laterais e centralizar em Gabigol e Ricardo Oliveira os alvos de lançamentos.

Lucas Lima, com a liberdade de um de um bispo no tabuleiro, conseguiu se sobressair para distribuir passes e até chegar na frente de Sidão, que foi a torre e a muralha. Quando ele não pode parar o Alvinegro, como fez com Vitor Bueno e Gabigol, as traves pararam Ricardo Oliveira por duas vezes.

Como no tablado de Osasco quem manda é o Audax, Fernando Diniz soube remanejar para que Tchê Tchê entrasse na defesa santista e que Bruno Paulo e Mike tivessem liberdade o suficiente para aparecer pelos lados. Foi justamente Mike, o camisa 7 de vermelho, quem fez o Audax sair na frente na final.

Tchê Tchê lançou para ele na entrada da área. O atacante, ala e até centroavante, driblou Gustavo Henrique para sair livre na frente de Vanderlei. Depois, foi só bater cruzado para fazer o Estádio José Liberatti inflamar e ser abraçado por todos os seus companheiros de time.

Para responder à altura, Dorival Júnior respondeu com uma alteração que parecia inofensiva. Ronaldo Mendes na vaga do machucado Lucas Lima. Foi justamente dele o chute à distância que surpreendeu Sidão e a fortaleza vermelha, que saiu jogando errado com um passe mal dado por Tchê Tchê.


Com o cronômetro parado, a Vila Belmiro reserva mais 90 minutos de jogo estudado e pegado. Não há vantagem. Se der novo empate, a decisão do Paulistão-2016 irá para as cobranças de pênaltis, assim como aconteceu com Peixe e Audax nas duas semifinais, contra Palmeiras e Corinthians.

Nenhum comentário:

Postar um comentário