06/07/16

QUADRILHA DOS TROCADOS VIRA TRADIÇÃO NA CIDADE DE SUMÉ




Na noite desta sexta-feira (24), Sumé, cidade do cariri paraibano, foi palco da mais tradicional quadrilha junina da cidade: a Quadrilha dos Trocados. Os participantes se despem de preconceitos e trocam suas roupas, homens se vestem de mulheres e vice-versa, formando assim, o figurino dessa quadrilha bem humorada.

Realizada nessa mesma data há 32 anos ininterruptos, a Quadrilha dos Trocados continua mantendo viva as tradições. Entretanto, a cada edição sempre surgem novidades. Thyago Belinho, organizador da quadrilha há sete anos, conta que a novidade de 2016 além dos bonés e copos personalizados com o grito de guerra da quadrilha, “Ô saudade do lote!”, foi a mídia nas redes sociais. “A gente começou desde o final de maio com a venda dos bonés, então todas as pessoas tiravam uma foto e nos mandavam. E daí a gente passou a pegar essas fotos e divulgar a quadrilha nas redes sociais. Isso cresceu de uma forma magnífica o marketing da quadrilha”, contou com alegria.

Este ano a Quadrilha dos Trocados contou com a participação de 70 casais inscritos, e a animação ficou por conta do marcador Wanderley Paulo e um trio de forró pé de serra conduzido pelo sanfoneiro sumeense Alysson.

Antes de iniciarem a dança, foi realizado o concurso da “Rainha dos Trocados 2016”. As 14 “moças” concorrentes ao título desfilaram em uma passarela para o público presente e para os jurados, que avaliou os quesitos como: simpatia, aclamação popular, figuro, beleza e a criatividade da ficha de inscrição. Segundo Thyago Belinho, a escolha dos jurados é feita considerando alguns amigos e pessoas que se destacaram na cidade.

A leitura da ficha de inscrição foi um dos momentos divertidos para os jurados, o grande público presente e os outros dançarinos. As respostas para as perguntas: o seu nome de guerra, a sua idade, quem é seu namorado, qual o seu sonho, qual a sua frase e quem você levaria para uma noitada no lote, arrancaram risadas de todos. A eleita Rainha dos Trocados 2016 foi a “Elsa Frozen”, deixando segundo lugar a “Joaquina de Bordon” e em terceiro lugar “Alanna Fontes”.

Há mais de 15 anos Zé Orges participa da quadrilha dos Trocados e todos os anos desfila com um personagem diferente. Este ano ele criou a Elsa, a princesa da neve. “Eu me sinto feliz, me sinto jovem. Este ano teve a neve e o discurso de amor, paz e contra preconceito”, contou com entusiasmo. Já Felipe Jessé, 19 anos, participou este ano pela primeira vez, após receber o convite do organizada para desfilar com a faixa da Rainha dos Trocados. “Eu também decidi desfilar depois do ataque contra os homossexuais na boate Pulse, em Orlando, Flórida (EUA). Eu queria representar. Eu acho importante ter aceitação e respeito”, disse.

Após o concurso, a quadrilha deu início a apresentação para o grande número de pessoas que vieram assisti-la. O Arraiá Zé Marcolino ficou pequeno, mas apesar do receio com a estrutura do local não houve problemas. Com muita animação e alegria, os dançarinos contagiaram todo o público e se divertiram dançando esta quadrilha que mistura a tradição dos passos com a irreverência da troca de roupas entre homens e mulheres.

O que começou como uma brincadeira em meados dos anos 80 virou tradição com mais de 30 anos, a chamada “Quadrilha das Virgens”, hoje “Quadrilha dos Trocados”, e foi incorporando novos significados ao longo do tempo. Para Wanderley Paulo, o fato de homossexuais e heterossexuais dançarem juntos, compartilharem do mesmo espaço, é significativo. “Há um respeito recíproco e isso é de suma importância nessa sociedade que a gente vive hoje, em que as pessoas discriminam as outras somente pela aparência. E hoje se pode ver aqui pessoas casadas e não casadas, brincando e se confraternizando em plena harmonia junina”, comentou ele.


A Quadrilha dos Trocados faz parte do calendário dos festejos juninos da cidade e tem o apoio do comércio local e da prefeitura Municipal de Sumé, através da Secretaria de Cultura e Turismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário