22/01/2017

Três municípios do Cariri paraibano não registraram homicídios em 2016




Uma das características mais comuns de cidades no interior é colocar a cadeira na calçada e conversar. No entanto, esse costume está sendo deixado de lado por causa do aumento da violência. De um total de 223 municípios da Paraíba, apenas 64 não registraram nenhum tipo de Crimes Violentos Letais Intencionais (homicídios dolosos ou qualquer outro crime doloso que resulte em morte) ao longo de 2016.

Com isso, de um total de 3,9 milhões de habitantes na Paraíba, apenas 8,4% (337.555) da população do Estado ficou tranquila em 2016 sem o registro de homicídios nas suas cidades. Uma delas foi Amparo, que se localiza no Cariri e fica 248 quilômetros distante de João Pessoa.

Amparo tem uma população de 2.229 habitantes e faz parte das estatísticas positivas na Paraíba, pois é uma das 64 cidades que não tiveram assassinatos em 2016. Os dados são do relatório de indicadores criminais do programa Paraíba Unida pela Paz, da Secretaria de Segurança e Defesa Social do Estado (Seds). O principal motivo para essa tranquilidade é o tamanho das cidades, pois a maioria delas tem menos de dez mil habitantes.

“Aqui é muito tranquilo. A gente pode até dormir de portas abertas que não tem perigo. É muito raro acontecer assalto. É tranquilo até com relação ao barulho, que só tem em época de festa. Não quero nem pensar na minha cidade ficar igual as cidades grandes, tomada pela criminalidade”, relatou a servidora pública Jocelma Anselmo, 40 anos, que reside em Amparo desde que nasceu.

Em Amparo, a maior parte das casas tem apenas portões baixos, sem cercas elétricas ou sistema de segurança, muito comum em lugares maiores para evitar a violência. O policial militar cabo Luiz Pequeno disse que trabalha na cidade há oito anos e considera o município muito pacato. “A gente tem sempre estado junto à sociedade, fazendo um trabalho comunitário, orientando a todos. Por se tratar de uma cidade pequena, a gente conhece todo mundo. Quando chega uma pessoa estranha na cidade a gente já vai averiguar”, ressaltou.

As ocorrências mais comuns, segundo o cabo Luiz Pequeno, são relacionadas a som alto, que é pertubação ao sossego. Com relação a assalto, quase nunca acontece. “A casa lotérica da cidade já foi arrombada, mas não foi com muita violência. O município também não conta com caixa eletrônico, então nunca ocorreu explosão aqui”, enfatizou.

Segundo informações contidas nos relatórios do programa Paraíba Unida pela Paz, Amparo não registra homicídios desde 2012, mas não quer dizer que não contabilizou antes. O cabo Luiz acredita que não aconteceram assassinatos na cidade há pelo menos uns 14 anos.

Análise

Para o cientista político José Maria Nóbrega, as cidades menores são mais propícias a ter poucos homicídios, pois há forte correlação entre assassinatos e tamanho da população – e isso pode estar ligado a vários fatores, como a posição geográfica e a falta de atrativo para o tráfico. “Contudo, não ter homicídios não quer dizer que não haja crimes”, avaliou.

Em relação a todo o Estado, o secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Cláudio Lima, disse que a Paraíba vem registrando uma redução no número de homicídios, fruto de uma política pública de segurança implantada no Estado. “Se adotarmos o sistema de segurança como algo coletivo, os resultados serão positivos”, afirmou.

Dez menores cidades livres de homicídios em 2016

1- Parari (1.782 habitantes)
2- São José do Brejo do Cruz (1.793 habitantes)
3- Quixaba (1.933 habitantes)
4- Areia de Baraúnas (2.137 habitantes)
5- Amparo (2.229 habitantes)
6- Zabelê (2.227 habitantes)
7- Lastro (2.745 habitantes)
8- Várzea (2.784 habitantes)
9- Mato Grosso (2.892 habitantes)

10- São Domingos de Pombal (3.091 habitantes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário