02/04/2018

EM DEFESA DAS INSTITUIÇÕES POLICIAIS: Vereador Sargento Neto critica durante entrevista valores invertidos em um país desigual





O vereador Sargento Neto concedeu entrevista e se expressou na última semana através das redes sociais em relação à inversão de valores que toma conta de uma país de desigualdades como é o Brasil

Nesta quinta feira em entrevista à rádio 93-Campina FM o vereador falou sobre o assunto ao se referir a pessoas que fazem apologia ao uso de drogas, a prostituição e a praticas criminosas e são aclamados como lideres, heróis e defensores das liberdades individuais

“Vivemos em uma sociedade com valores invertidos, pessoas que defendem o bem não recebem o valor devido e pessoas que fazem apologia ao mal recebem aclamação”, comentou o vereador em texto recentemente publicado em suas redes sociais. 

“É comum ver pessoas que fazem apologia ao uso de drogas, a prostituição e a praticas criminosas serem aclamados como lideres, heróis e defensores das liberdades individuais. É normal ver pessoas com esse perfil virarem  destaque”, acrescenta o vereador.

Confira o texto com as opiniões do vereador Sargento Neto na íntegra: 



A inversão de valores

Vivemos em uma sociedade com valores invertidos, pessoas que defendem o bem não recebem o valor devido e pessoas que fazem apologia ao mal recebem aclamação.

É comum ver pessoas que fazem apologia ao uso de drogas, a prostituição e a praticas criminosas serem aclamados como lideres, heróis e defensores das liberdades individuais. É normal ver pessoas com esse perfil virarem  destaque”, acrescenta o vereador

O que não é comum aqui no meu BRASIL é ver pessoas simples, porem comprometidas com o bem comum, receberem o mesmo tratamento.

Há alguns dias a professora HELLEY ABREU, morreu tentado salvar seus alunos em uma creche em Minas Gerais. Já na última segunda feira a policial militar Caroline foi morta simplesmente por ter sido identificada como policial.

Nestes dois casos não vimos manifestação significativa, e não veremos publicações prolongadas nos telejornais. A grande mídia não dará a importância merecida a essas heroínas.

Eu fui professor por alguns anos e sei o quanto e difícil exercer essa profissão em um país com valores controversos, onde o errado é certo e o certo esta errado.

Eu também fui polícia militar e sei o quanto e árduo defender, (mesmo com o risco da própria vida), pessoas que nem mesmo conhecemos independente de COR, RAÇA OU 
RELIGIÃO.

Pessoas que muitas vezes não terão o mínimo de reconhecimento. Todavia todos os dias policia e professores saem de suas casas anonimamente para exercer suas profissões e hoje, contrariando a ordem inversa imposta a nós brasileiros,  quero lamentar a morte de mais uma mulher, guerreira e anônima, mais com sobrenome militar, Que não terá o reconhecimento midiático, mas terá daqueles que sabem o quão e árduo defender a moralidade no brasil.

À TODA FAMILIA MILITAR DO BRASIL, AS MAIS SINCERAS CONDOLENCIAS.
Att vereador SARGENTO NETO

Nenhum comentário:

Postar um comentário